A transformação social do Política pra quê?

Qual a visibilidade de um morador de região carente dentro da nossa sociedade? Como dar voz a pessoas que não possuem o mesmo acesso a transporte, saneamento básico e educação do que os moradores de grandes centros? Como representar comunidades marginalizadas dentro e fora do Congresso?

Na edição do nosso Política pra quê? realizado no Setor Habitacional Sol Nascente, Ceilândia/DF, foi possível ouvir de perto a realidade de pessoas batalhadoras, de origem humilde, que passam por desafios que pessoas de classe média sequer imaginam. O local foi apontado no Censo 2000 como a maior favela do Distrito Federal e segunda maior do Brasil. Hoje, em processo de urbanização, possui 100.000 habitantes e caminha para se transformar em bairro próprio, como os vizinhos “P” Norte e Expansão do Setor “O”.

Reconhecida como a maior comunidade horizontal da América Latina desde 2013, o Sol Nascente possui os problemas que toda região pobre tem: cenário de tráfico, evasão escolar, desemprego e violência. Escutamos o retrato nu e cru de se viver no local diretamente de alguns moradores, sendo a maior parte deles líderes comunitários e ativistas engajados no resgate da juventude por meio do esporte e da música para evitar aumento nos índices de criminalidade.

Na ocasião de 21/10, pude cumprimentar os presentes para exibir um pouco do nosso trabalho na Fundação Republicana Brasileira, inclusive sobre os cursos gratuitos que muito podem contribuir no desenvolvimento dos cidadãos da localidade. Contamos com a presença de nosso cientista político e coordenador acadêmico Leonardo Barreto, que conduziu a roda de conversa com a população.

No encontro, conhecemos a história de Maurício Nascimento, que diante da falta de oportunidades se envolveu no tráfico de drogas e após cumprir sua pena decidiu se empenhar em movimentos sociais. Realiza encontros de debate que investem no rap, no grafite, na poesia e no esporte para motivar jovens a continuarem os estudos e conciliarem seus talentos no tempo livre para evitar o envolvimento no crime. Por meio dos grupos de apoio e de atividades recreativas, jovens e adultos discutem como podem cobrar do governo uma representatividade maior no cenário político. Para Maurício, é dever das autoridades entender as necessidades da população.

As pessoas que residem em Sol Nascente precisam acordar horas mais cedo para pegar um ou dois veículos apenas para chegar em seus estágios e empregos, visto que muitas vans e ônibus são piratas, pois só passam ônibus regulares na via de fora do bairro. A volta para casa é como a ida: passageiros apertados, muitas vezes em pé e sem condições seguras. Há reclamações de que o único posto de saúde da região, inaugurado em junho, raramente possui médicos de prontidão ou medicamentos. A Escola Rural, única da comunidade, é concorrida por não ter vagas para todos que precisam. Não há creches públicas na região. Diante de tantas adversidades, é fundamental reconhecer a importância da política na vida das pessoas, que pode melhorar com a criação de novos projetos.

Escutar diretamente da fonte as complicações que afetam diariamente a vida desses cidadãos é um dos papéis do projeto Política pra quê?, que foi criado justamente para ceder às pessoas a oportunidade de explicar o que é a atividade para elas e como deveria ser de acordo com suas realidades. Por meio do encontro em Sol Nascente, nos comprometemos a retornar para discutir políticas públicas viáveis para atender as principais carências da área.

A transformação social do Política pra quê? se inicia a partir do momento em que o cidadão conhece seus direitos e deveres e toma consciência de que é possível sim cobrar dos gestores públicos as demandas que garantam melhoria de qualidade de vida à população.

A FRB permanece à disposição da comunidade para levar edições do projeto, que como todos os outros da instituição, é gratuito e voltado a todos os cidadãos.

Renato Junqueira – presidente da Fundação Republicana Brasileira

Palavra do Presidente – Liderança Feminina

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” margin_top=”” margin_bottom=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_youtube id=”https://www.youtube.com/watch?v=eE4UBD6RgzE” alignment=”” width=”” height=”” autoplay=”false” api_params=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” /][fusion_youtube id=”https://youtu.be/DrNxO0zHVEU” alignment=”” width=”” height=”” autoplay=”false” api_params=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” /][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][fusion_builder_row][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container][fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][/fusion_builder_container]

Vote consciente

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” margin_top=”” margin_bottom=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_youtube id=”https://www.youtube.com/watch?v=2YlDyD89Udc” alignment=”” width=”” height=”” autoplay=”false” api_params=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” /][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_text]

Certamente você já recebeu alguma mensagem nas redes sociais convocando o eleitor a anular seu voto. A afirmação é comum durante o período eleitoral e diz que se cinquenta por cento dos votos forem anulados, novas eleições devem ser agendadas. No entanto, tal colocação não passa de um mito.

[/fusion_text][fusion_text]

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][fusion_builder_row][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container][fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][/fusion_builder_container]

Estamos mais conscientes politicamente

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” margin_top=”” margin_bottom=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_youtube id=”https://www.youtube.com/watch?v=eTVTZDdNFZY” alignment=”” width=”” height=”” autoplay=”false” api_params=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” /][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_text]A grave crise no Brasil despertou um senso crítico mais aguçado nos cidadãos, que não aceitam mais a velha política.[/fusion_text][fusion_text]

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][fusion_builder_row][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container][fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][/fusion_builder_container]

Data comemorativa ou de reflexão?

Celebrado neste mês de agosto, o “Dia Internacional da Juventude” é uma data que vem ganhando representatividade no nosso calendário. Sem sombra de dúvidas as políticas para juventude estão adquirindo espaço no cenário mundial. No entanto, um longo e árduo caminho ainda deve ser percorrido no que diz
respeito ao Brasil.

A data reforça a necessidade de um olhar sensibilizado para antigos problemas e anseios enfrentados pela juventude, como a baixa qualidade de serviços públicos o pouco incentivo à educação, lazer e a oportunidade no mercado de trabalho.

Segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais 2017, do IBGE, o número de jovens entre 16 e 29 anos que não estudam e nem exercem atividade remunerada saltou de 22,7% em 2014 para 25,8% em 2017. No Brasil são mais de 50 milhões de jovens, todavia os dados estatísticos dessa faixa etária não são os mais animadores. Ano após ano, cerca de 30 mil jovens são assassinados no país, sendo a maioria das vítimas homens negros. Inclusive, estima-se que ocorre um assassinato a cada 24 minutos.

E para completar a triste estatística, os dados do TSE revelam que a proporção de jovens entre 16 e 17 anos que tiraram o título para votar pela primeira vez nas eleições deste ano caiu em comparação a 2014. No pleito de 2014, a proporção de jovens nessa faixa etária, cujo voto é opcional, era de 23,33%. Já em 2018 a proporção é de apenas 21,58%.

Muitas pessoas enxergam os jovens e adolescentes como o futuro da nação, e é pensando nisso que afirmamos que a data não é comemorativa, e sim um ponto de reflexão para os jovens brasileiros. Precisamos de mais incentivo, investimento e oportunidades para essa parcela da população. Algumas perguntas que surgem quando ponderamos a participação do jovem atualmente são: o que estamos fazendo para impactar o nosso meio? Como posso ser um agente de transformação social?

Renato Junqueira – presidente da Fundação Republicana Brasileira e coordenador Nacional do PRB Juventude 

Fake news: notícias falsas que não são recentes

O mundo parece ter acordado para o impacto da internet como meio de comunicação apenas há pouco tempo. Acontecimentos políticos recentes, como a eleição norte-americana de 2016, que levou Donald Trump ao poder, bem como o círculo de notícias falsas que pairavam durante “Brexit”, plebiscito que definiu a saída do governo britânico da União Europeia, impulsionaram a atenção das autoridades para os riscos das fake news. Inclusive, nas eleições de 2016 dos EUA foi divulgado até que o Papa Francisco estava apoiando a candidatura de Donald Trump. A intensidade do impacto dessas notícias para ambos os casos ainda é algo questionável e difícil de ser mensurado, mas é inegável que uma informação inventada pode influenciar a opinião das pessoas. Todavia, a cultura de criar falsos episódios e boatos com o objetivo de manipular o senso crítico dos eleitores compõe uma estratégia antiga.

Para comprovar que a utilização das fake news não é fato novo, vale a pena observar as eleições de 1989, que inclusive são apontadas por alguns especialistas como um estilo de candidatura que pode se assemelhar ao processo eleitoral de 2018, formado por muitos candidatos à presidência e com plataformas ideológicas diferenciadas. Durante a campanha de 1989, por exemplo, a equipe de marketing do candidato Collor usou uma entrevista com a ex-namorada do ex-presidente Lula acusando-o de incentivar o aborto de sua filha. Além disso, o Brasil de 1989 não é o mesmo de hoje. Naquela época a população dependia muito da televisão para se informar e atualmente a internet tem tomado o espaço da TV. Mas ainda nessa disputa, a grande mídia utilizou-se do monopólio privado para intervir no resultado das eleições.

O grande problema é que a criação de notícias falsas sempre existiu. No entanto, a era da informação fez com que seu impacto se tornasse muito mais intenso. A cada clique e compartilhamento de mensagens em redes sociais e em grupos de aplicativos abre-se a oportunidade para que muitas acessem notícias manipuladoras. Cabe ressaltar que não configurara-se a criação de nova estratégia como muitos afirmam, mas apenas aplicação de técnica que foi potencializada com a utilização em massa da internet.

Porém, nem todos sabem ao certo como diferenciar uma notícia falsa de uma verdadeira. E o pior, sem ter certeza da credibilidade das fontes que veicularam aquele conteúdo, acabam repassando a informação a terceiros que também retroalimentam o ciclo – e dessa forma, as ditas fake news viralizam na rede. Em uma pesquisa survey, intitulada “A cara da democracia”, realizada em março de 2018 pelo Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação – INCT, que ouviu 2.500 pessoas nas diferentes regiões do país, adicionou-se a seguinte pergunta no questionário: “Você tem recebido notícias sobre política que desconfia serem falsas?”. Para a surpresa dos pesquisadores, apenas 23,9% dos entrevistados afirmaram desconfiar das informações que recebem, uma proporção muito baixa para a percepção desse fato, que, como mencionado, não é nada novo.

É bem provável que essa baixa percepção esteja relacionada ao desconhecimento do que realmente sejam fake news. Portanto, seguem algumas dicas para quem quer se manter informado e ao mesmo tempo não deseja tornar-se alvo de manipulações. O primeiro passo é sempre checar a fonte de quem publicou a matéria. As fake news geralmente são produzidas por mecanismos robôs que editam milhares de notícias inverídicas por dia. Portanto, um fator que serve como alerta é a presença de erros grotescos de ortografia e formatação nessas matérias, o que destoa bastante daquilo que estamos acostumados usualmente.

Um cidadão atento deve ter o faro sensível, por isso é sempre importante desconfiar do portal que divulgou aquela notícia antes de compartilhá-la. Portais com nomes desconhecidos ou de baixa reputação devem deixar o eleitor “de orelhas em pé”. Assim, uma dica é priorizar veículos de comunicação com alta credibilidade, portais que já possuam uma tradição em transmitir esse tipo de informação. Outro conselho é tomar cuidado com conteúdos apelativos e sensacionalistas. O que movem as fake news são aquelas novidades bombásticas que geram escândalos. Além de todos os cuidados já mencionados, existem alguns recursos que podem auxiliar as pessoas que estão na dúvida sobre confiabilidade de um conteúdo.

Uma atitude que deveria se tornar um hábito para todos nós é sempre pesquisar no Google a disseminação da informação. Inclusive, na ferramenta Google Notícias é possível identificar se uma notícia é falsa por meio de seu motor de buscas. Além disso, o portal www.boatos.org costuma desmistificar as principais informações falsas anunciadas na internet.

Acessem nosso canal no Youtube e confiram o vídeo em que abordei o tema.

Renato Junqueira – presidente da Fundação Republicana Brasileira 

Será que temos consumido conhecimento útil?

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” margin_top=”” margin_bottom=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_youtube id=”https://www.youtube.com/watch?v=L93oJgtQtdY” alignment=”” width=”” height=”” autoplay=”false” api_params=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” /][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_text]

Diariamente consumimos uma inúmera quantidade de informações, dos mais diversos veículos de comunicação. É bom que estejamos antenados com o que acontece no mundo, no nosso país, na nossa cidade. Mas será que temos consumido apenas conhecimento útil? Você costuma checar a veracidade dos fatos antes de se posicionar ou comentar uma notícia com alguém? Já ouviu falar das chamadas Fake News?

[/fusion_text][fusion_text]

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][fusion_builder_row][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container][fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][/fusion_builder_container]

“Um verdadeiro gol de placa seria colocarmos pessoas com mentalidade e atitudes novas no Congresso Nacional”, declara Renato Junqueira.

Republicano conta detalhes da sua história de vida e os motivos que o levaram a tornar-se gestor e articulador político 

Victor Renato Junqueira Lacerda nasceu em Aracaju (SE) no dia 26 de setembro de 1988. Conhecido no meio profissional e entre amigos apenas como Renato, traz no rosto um sorriso jovial e nas atitudes, o posicionamento de um líder experiente, apesar da pouca idade. Filho de pai baiano e mãe sergipana, não dispensa um bom cuscuz com ovo no café da manhã. O nordestino carrega consigo as experiências vividas em Sergipe, Bahia e Paraná. Quando criança sonhava ser jogador de futebol profissional. Dividia seu tempo entre os estudos, brincadeiras e treinos na escolinha esportiva. Chegou a jogar nas categorias de base do Club Sportivo Sergipe aos 10 anos de idade. Casado com Fernanda Nascimento há seis anos, o apaixonado torcedor do Grêmio atua em atividades voltadas à juventude desde a adolescência – o casal se conheceu há 13 anos, em um projeto social do qual fazia parte.

A convite do PRB, fixou residência na capital federal em 2014 e assumiu a coordenação nacional do movimento jovem da agremiação em 2015. Mais à frente, em 2016, tornou-se 1º secretário nacional da legenda. Graduado em Gestão Pública pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), foi homenageado em novembro de 2017 com o prêmio Profissionais de Verdade, dedicado a alunos egressos que se destacam em sua área de atuação. Em outubro de 2017 integrou a delegação brasileira e participou do Festival Mundial da Juventude e Estudantes em Sóchi, na Rússia. Assumiu a presidência da Fundação Republicana Brasileira há um ano. Desde então, organiza sua rotina entre a atenção à família e à mascote Mel – uma cachorra da raça lhasa apso; atividades físicas, estudos, além da agenda movimentada de trabalhos partidários e institucionais.

Na segunda parte da entrevista concedida à assessoria de comunicação da FRB, o líder conta um pouco de sua trajetória, desafios superados e curiosidades.

  1. Conte um pouco sobre sua infância no Nordeste. Quais lembranças tem de lá? 

Nasci em Aracaju e, quando eu era ainda muito pequeno, meus pais se separaram e fui viver em Pernambuco por um tempo. Meu pai é da Bahia, de uma cidade chamada Vitória da Conquista, e minha mãe é sergipana. Após a separação, ela fez curso de hotelaria e foi morar na Itália. Dos 4 até os 10 anos de idade fui praticamente criado por minha avó e por meu pai. A partir de Vitória da Conquista é que consigo me ver como gente, minha história de vida e brincadeiras. Quando minha mãe retornou ao Brasil decidiu voltar a Aracaju e fui morar com ela. Minha infância e adolescência foram períodos muito difíceis, principalmente por questões familiares e financeiras. Em Aracaju comecei a estudar e ter muitos amigos, inclusive mantenho contato com vários até hoje. Gostava bastante das aulas de Português e de Geografia. Sempre estudei em escola pública. Uma vez minha mãe conseguiu uma bolsa de 50% para eu estudar em um colégio particular muito bom, mas mesmo assim não conseguia pagar os 50% restantes, então tive que voltar para o público. Uma escola que me recordo muito, embora pública, mas referência, é a Tobias Barreto, localizada no centro da cidade, onde cursei o ensino médio.

  1. Algum momento marcante, de dificuldade ou superação?

Na escola particular eu estudei em período integral. Era uma realidade difícil, porque eu olhava a situação da minha vida e dos colegas, e nossa realidade era desproporcional. Quantas vezes eu ficava sem almoçar, inventava desculpas, mesmo com o estômago roncando dizia que estava sem fome, enquanto os amigos almoçavam no shopping. Naquela época era luxo almoçar no shopping. Minha família é muito unida e um sempre ajudava o outro. Graças a Deus nunca passei fome. Mas acho que uma coisa muito parecida com passar fome é não conseguir fazer o que quer, o fato de não ter condições de realizar algumas coisas básicas, ter boas roupas, frequentar determinados locais… Não passamos fome, mas me recordo que os pães e ovos eram contados, tudo muito regrado. Um fato engraçado é que minhas roupas não acompanhavam meu rápido crescimento. As calças eram literalmente de pescador, batiam na metade das canelas e dava para ver as meias. Minhas camisetas pareciam de menina, mais justas e curtas, pois eu já era alto desde novinho. Como não tínhamos dinheiro para comprar novas peças, eu usava até ficarem bem gastas.

  1. Como conheceu Fernanda Nascimento?

Temos 13 anos de relacionamento entre as primeiras conversas, namoro, noivado e casamento. Nos conhecemos no projeto social Força Jovem, do qual fazíamos parte em Aracaju. O que me chamou a atenção na Fernanda foi o fato de ela ser muito determinada. Me lembro de um dia bastante chuvoso, tínhamos trabalho para fazer em um bairro carente e afastado. Eu, como líder do grupo, liberei as demais pessoas para voltarem para casa. Ela não quis saber e foi sem guarda-chuva mesmo. Subiu morro, se molhou, caiu, se sujou toda, mas não desistiu. Ali eu vi o quanto ela era guerreira. Eu precisava de uma companheira assim, cheia de vida e disposição, que estivesse junto em todos os momentos. Depois me declarei para ela. Foi quando começou a nossa história. Não foi fácil, tivemos que lutar muito para ficar juntos. Mas valeu a pena.

  1. Qual a importância do esporte em sua vida? O que o motivou a trabalhar com o público jovem ainda na adolescência?

Sempre gostei, principalmente de futebol. Foi o que me atraiu no projeto do qual fiz parte. Depois de um tempo acabei assumindo a coordenação estadual desse trabalho social em Sergipe e lá realizava atividades voltadas para a juventude. Acredito que o esporte pode contribuir para a mudança de vida do ser humano para melhor. Quando eu tinha 14 anos de idade comecei a vender água e outros produtos no semáforo em busca de independência financeira, pois passava por uma fase atribulada em vários sentidos. Acabei amadurecendo à força, tinha compromissos e nem sempre podia brincar. Foi com as experiências diárias que enxerguei pessoas passando por problemas iguais e até piores que os meus. Percebi que eu não estava sozinho. Então o que mais me motiva a trabalhar com a juventude é mostrar que é possível sonhar e realizar. Embora os jovens vivenciem momentos difíceis, têm a oportunidade de ampliar sua visão de mundo. Quanto mais dificuldades, mais bonita e transformadora é a história quando assumimos nosso papel de protagonistas.

  1. Seu time do coração é o Grêmio. Qual o motivo da escolha? 

É, sou gremista e isso acaba sendo um fato inusitado. As pessoas brincam comigo e perguntam: “Como é que um sergipano torce para o Grêmio?” Na verdade eu não tinha time, tava ainda descobrindo para qual torcer. Meu tio, mesmo sendo flamenguista, me convenceu. Na época, lá em 1997, um jogador fazia muito sucesso – o Paulo Nunes – eu era loirinho, parecido com ele, tinha uns 9 anos. Como Paulo Nunes fazia muitos gols, meu tio me deu short, camiseta e meiões do Grêmio e me pediu para assistir a um jogo. Naquela partida o craque fez dois gols e acabei vibrando. O Grêmio é um time aguerrido, diferenciado, considerado copeiro, brigador. Admiro muito e torço até hoje.

  1. Como foi a vinda para Brasília para coordenar o PRB Juventude? E o início do trabalho a nível nacional? 

Fui bem recebido na capital federal e me adaptei rápido, exceto ao clima que é um pouco ruim e seco, me causa alergia, rinite (risos). Em Brasília temos pessoas politizadas, que leem jornais, que buscam saber, questionam, são bem informadas. A juventude daqui tem muito potencial. Iniciamos o trabalho estratégico de planejar e dar posse às novas coordenadorias nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Bahia. Logo que cheguei, em 2015, visitei e conheci a realidade do JPRB em 22 estados. Em 2016 conseguimos chegar a todos os demais. Trabalhamos com um tripé que contempla o social, a conscientização e a atuação política. O objetivo é fazer o jovem ver a política com um olhar diferente, motivado e sem vícios. Eu mesmo não enxergava a política como enxergo hoje. Mudei minha visão e acredito que a política é a maior ferramenta de transformação social. Por isso acho que é possível mudar o pensamento das pessoas, assim como o meu foi mudado.

  1. Fazendo analogia com o futebol, o que seria um gol de placa numa final de Copa do Mundo, com o Brasil vitorioso na política?

Um verdadeiro gol de placa seria colocarmos no Congresso pessoas que têm atitudes e mentalidade novas. Não importa a idade, pois nada garante que apenas isso mudará o país. Já as atitudes dizem muitas coisas e podem realmente transformar a situação. Devemos colocar tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado pessoas que pensem no todo e tenham o sentimento da sociedade, que sabem da dor da mãe que chora, do pai que tem que acordar cedo para conseguir o pão de cada dia, que não olhem apenas para suas vidas e pretensões políticas. Precisamos de representantes que deem sua parcela de contribuição, independente de cargo, mandato e reeleição. O importante é que jamais percam a ética, a moral e provem que é possível entrarem e saírem limpos da política, sem se corromperem. A corrupção é um câncer que está instaurado em nosso país. Por causa dela, muitas vezes a política não chega para todos, fica no meio do caminho. Políticas públicas básicas, como educação e saúde, são fracas. O gol de placa para mudar o Brasil será do povo. E o caneco na mão será o resultado no dia 7 de outubro, quando as urnas forem abertas e tivermos novos representantes legítimos e empenhados. Mas ainda falta aos brasileiros acompanharem os candidatos e avaliarem propostas com atenção antes e depois do voto, terem opinião crítica, pesquisarem sobre o mandato.

  1. Qual a parcela de contribuição da FRB no processo eleitoral? 

Temos uma contribuição fundamental. Formamos pessoas com visão diferenciada, mas também investimos na capacitação dos quadros do PRB e nos pré-candidatos, para que eles sejam realmente diferentes. A FRB está à disposição, pois a principal atividade é promover a educação política. A Fundação atua como um treinador, tanto para os jogadores em campo, quanto para a torcida. Independente da posição que jogam, seja zaga, lateral, defesa, ataque, todos os membros da equipe são importantes. A gente só ganha quando faz a coisa certa, quando o time está entrosado, redondo. Por isso precisamos trabalhar em união, para dar alegria a quem torce pelo sucesso do Brasil.

Por Suellen Siqueira

Foto: Carlos Gonzaga 

 

Eleitor consciente #06 – Já te ofereceram algum benefício em troca do voto?

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” margin_top=”” margin_bottom=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_youtube id=”https://www.youtube.com/watch?v=Beniv_v5VMk” alignment=”” width=”” height=”” autoplay=”false” api_params=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” /][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” dimension_margin=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_text]

Após os 10 passos para ser um bom cidadão, a FRB propõe a série “Eleitor consciente” com material específico para o eleitorado brasileiro. Apresentado pelo presidente da instituição, Renato Junqueira, o quadro traz dicas de como exercer a cidadania e o direito de escolha de maneira inteligente e eficaz.

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

Estado forte, interventor ou mais autonomia do cidadão?

Esse é o dilema que assola a maioria dos líderes políticos, principalmente em momentos de eleição presidencial, como teremos daqui alguns meses. Para alguns, necessariamente o Estado deve intervir na economia, adquirindo e controlando empresas estatais; além de viabilizar tudo aquilo que a maioria dos cidadãos julgam ser de responsabilidade exclusiva do governo. Educação, emprego, saúde, previdência, transporte, lazer, cultura e vários outros aspectos que inclusive, a Constituição Federal classifica como direitos sociais. Entretanto, a população está cansada de saber que esse modelo que concentra muitas obrigações ao Estado nunca foi a melhor alternativa. Prova disto são os hospitais públicos lotados, onde faltam médicos, e escolas sucateadas com ensino de baixa qualidade.

A ideia do Estado Mínimo surgiu do pensamento do filósofo norte-americano Robert Nozick (1938-2002) em resposta a outro filósofo político também norte-americano chamado John Rawls (1921 – 2002), que afirmava que o cidadão deveria viver em um estado de bem-estar social, uma sociedade que garantisse um mínimo existencial para todas as pessoas, inclusive com as mesmas oportunidades. A filosofia do Robert Nozick é uma defesa forte aos direitos invioláveis; o direito à vida, liberdade e à propriedade. Para Nozick, o único Estado moralmente legítimo é o Estado Mínimo. Sua função é garantir a proteção dos cidadãos do roubo de outros indivíduos, da violência e da fraude. Criando um ambiente propicio à execução de contratos. Desse modo, o Estado Mínimo não transgrediria os direitos invioláveis.

Essa concepção de que o Estado precisa estar no centro de todas as decisões é tão complicada que acaba contrariando a lógica de coisas que enfrentamos no dia a dia. Ao se deparar com uma irritação na pele, qualquer pessoa sabe que precisa procurar um dermatologista, que é a especialidade que se ocupa em tratar da pele humana. E seria um desperdício de tempo perguntar ao neurologista ou obstetra qual a solução para o seu problema de pele, embora eles possam saber como o tratamento deve ser realizado, porque obviamente estudaram Medicina.  Um médico de outra especialidade jamais teria de pronto o procedimento mais adequado para resolver aquele tipo de problema ou o medicamento mais recente para atacar aquela patologia. Assim é a ideia do Estado forte, ele tenta resolver problemas de diversas áreas, porém não é especialista em nenhuma função. O resultado são políticas públicas de baixa eficiência.

A aptidão por especialização está presente em todas as dimensões das nossas vidas. Na ciência não é diferente. Já dizia o escritor Rubem Alves que “a tendência da especialização é conhecer cada vez mais de cada vez menos”. É por esse motivo que muitos estão à procura de se tornarem especialistas em um assunto, e dessa forma fazem pós-graduação, mestrado e doutorado, para que dominem com veemência determinada área.  Porém, para aqueles que são contrários à visão do Estado Mínimo isso não faz o menor sentido. Para eles, o controle de grandes empresas estatais geraria valiosos dividendos ao governo, no entanto, a operação Lava Jato e outros escândalos políticos do passado tem nos mostrado que tais empresas não são nada rentáveis e ainda favorecem a formação de esquemas de corrupção.

No início do segundo mandato do governo Lula, em 2003, ao ser entrevistado pelo jornal Folha São Paulo a respeito de um dos seus principais projetos, o Fome Zero, o então presidente, que é a favor do Estado forte e interventor foi enfático em dizer: “É preciso dar o peixe e ensinar a pescar”.  De acordo com a lógica do Estado Mínimo, o importante não é dar o peixe, e sim criar condições favoráveis à pesca, de modo que todos possam comprar as suas tralhas e acessar o rio para lançar sua rede. Além disso, também é necessário a garantia da segurança para que ninguém roube o seu pescado e assim o pescador poderá comercializá-lo.

Diferente do Estado forte e interventor, o que precisamos é de um cidadão com mais iniciativa, que não fica parado esperando a ajuda do governo, mas que se organiza em associações de bairros para reformar a praça ou quadra poliesportiva da sua comunidade, contando com o apoio do setor privado.  Um exemplo de sucesso é o caso do município de Ribeirão Bonito, no interior de São Paulo. O pacato município conta com 12 mil habitantes e vive basicamente da agricultura e pecuária. Ao longo do tempo a população observou que a qualidade dos serviços públicos estava caindo demais. Para os moradores era como se a cidade estivesse sem governantes: escolas sucateadas, praças e ruas depredadas.  A partir dessa triste situação que os cidadãos resolveram se juntar e fazer algo em prol do município. Foi então que surgiu a AMARIBO – Associação de Amigos de Ribeirão Bonito. Com a criação dessa associação, as pessoas se sentiram encorajadas a denunciar os desvios de verbas de merenda escolar, combustível e outros abusos do poder, reestabelecendo vitalidade dos serviços públicos.  Em resumo, além de um Estado Mínimo o que precisamos é de mais autonomia e independência dos cidadãos em assuntos públicos.

Renato Junqueira – presidente da Fundação Republicana Brasileira (FRB) 

Sede

SEP Sul, Trecho 713/913, Lote E, Edifício CNC Trade, Asa Sul, Brasília – DF, CEP: 70390-135

E-mail: contato@fundacaorepublicana.org.br
Telefone: (61) 3321-1112

Subseção São Paulo

Av. Indianópolis, 2025 – Planalto Paulista – CEP: 04063-003

E-mail: secretariafrbsp@gmail.com

Telefone: (11) 5594-0184 / (11) 3342-5160 / #5175

× Fale Conosco.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

LEIA COM ATENÇÃO:

Para efetivação da sua matrícula no Curso de Idiomas do ano de 2020, segue a documentação necessária:

  • RG – Original
  • CPF – Original
  • Foto 3×4 – Atualizada
  • Comprovante de Residência – Original (máximo 90 dias de emissão)
    • O comprovante de residência deve estar em seu nome, ou faça uma declaração, informando o seu endereço residencial e registrá-la em cartório.
  • Comprovante de renda – Original

IMPORTANTE:

Somente é válido como comprovante de renda o seu Contracheque ou Declaração de Serviço Autônomo que deve ser registrada em cartório.

Ausência de Renda: Você deverá escrever uma Declaração informando que não possui renda e também registrá-la no cartório.

Roberta Guerra

GERAL

Roberta é casada há mais de 15 anos e tem um casal de filhos. Viveu por nove anos nos Estados Unidos, onde teve a oportunidade de ter uma formação teste (PET) pela Cambridge University e fez um Curso Introdutório de Professores, pela Cambridge University – ELC Idiomas. Fez intercâmbio cultural em West Chester, Ohio, USA.  Roberta é fluente em inglês e espanhol.

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Câmara Legislativa do Distrito Federal - Assessora Parlamentar

British and American English School – Curso de inglês - Professora de inglês para adultos e adolescentes.

Opportunity Fomento Comercial Ltda. - Empresa de fomento comercial.

Bankers Insurance Group-USA – Empresa Internacional que atua no ramo de seguros, nas áreas jurídica, civil, patrimonial, intempéries da natureza e vida.

Customer Service Representative II - Departamento de Sinistros – Louisiana State; Florida State;

Tânia Maria Teixeira

GERAL

Tania Maria Teixeira, 56 anos, servidora pública federal do FNDE, aposentada, graduada em pedagogia com habilitação em orientação educacional. Cursando pós graduação em Assessoria Parlamentar na Faculdade Republicana.

Assessora Parlamentar há 20 anos, sendo 12 lotada no Gabinete do Deputado Federal Márcio Marinho – Republicanos-BA, onde atuou na área internacional.

Desde 2017, hoje está como Secretária do Movimento Feminino do Republicanos do DF.

 

FORMAÇÃO

Pedagogia com habilitação em orientação educacional – Uniceub

Pós-graduação Assessoria Parlamentar – Faculdade Republicana

Joaquim Mauro
Tesoureiro Nacional do Republicanos

GERAL

O paulistano Joaquim Mauro Silva possui graduação em Ciências Contábeis pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP e especialização em Gestão Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Atuou durante 11 anos em empresas nacionais e multinacionais e também foi sócio de um escritório de contabilidade.

Mauro Silva atua como dirigente partidário há mais de 10 anos. Trabalhou como assessor parlamentar e técnico nas Câmaras Municipais de São Paulo, Rio de Janeiro e na Legislativa do Distrito Federal, secretário adjunto de Esporte e foi presidente da Fundação Republicana Brasileira (FRB), na qual, atualmente, é diretor financeiro. Também é tesoureiro nacional do Republicanos.

 

FORMAÇÃO

Graduação em Ciências Contábeis - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP

Evandro Garla
Secretário-geral do Republicanos
GERAL

Evandro Garla é natural de São Paulo (SP) e nasceu no dia 9 de maio de 1978. Gestor Público pela Universidade Católica de Brasília, exerceu o cargo de Chefe de Gabinete do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), já tendo desempenhado as mesmas funções na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco e na Câmara dos Deputados.

Ocupou o cargo de Secretário Nacional de Esporte, Lazer e Inclusão Social (SNELIS) e de Gerente de Projetos da Secretaria Executiva, ambos no Ministério do Esporte.

Eleito como Deputado Distrital na 6ª Legislatura (2011-2014), foi votado para o cargo de Ouvidor da Câmara Legislativa do Distrito Federal, ofício que cumpriu durante todo o seu mandato.

Buscando o aprimoramento no exercício de suas funções públicas e embasamento na promoção de mudanças, está cursando MBA em Gestão de Pessoas, na Universidade Católica de Brasília.

FORMAÇÃO

Gestão Pública – Universidade Católica de Brasília

MBA em Gestão Pública – Universidade Católica de Brasília

Mário Enrique Rodriguéz Fernandéz
Instrutor
GERAL
Mário Enrique Rodriguéz é natural da cidade de La Habana (Cuba) e nasceu no dia 21 de junho de 1975. Cursou Licenciatura em Língua e Literatura Espanhola na Universidade de La Habana (Cuba) e Música, na Escuela Alejandro Garcia Caturlas.

FORMAÇÃO

  • Licenciatura em Língua e Literatura Espanhola – Universidade de La Habana (Cuba)
  • Graduação em Música – Escuela Alejandro Garcia Caturlas

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

  • Enrique iniciou a carreira como professor de Língua Espanhola no pré-universitário de Ciências Exatas Vladimir Ilich Lenin, em sua cidade natal. Foi professor de Literatura Hispano-americana na Escola Nacional de Artes (ENA) e no Instituto Amadeo Roldan. Também foi professor de História da Música e Apreciação Musical na escola na qual formou-se.
  • Há cinco anos estabeleceu residência fixa no Brasil. Atualmente é professor de espanhol particular e na Fundação Republicana Brasileira (FRB).

Rabiu Rufayi
Instrutor
GERAL

Rabiu Rufayi é natural da República do Gana, país popularmente conhecido apenas como Gana, situado na África Ocidental. Nasceu no dia 5 de julho de 1985. Além dos idiomas Ga, do seu país de origem, e inglês, também fala hausa e mais dezenas de dialetos.

FORMAÇÃO

  • Tecnologia e Informática - Escola Indiana NIIT Technologies,
  • Artes Visuais - Escola Master Servis
  • Hardware, Tecnologia de Sistemas e Rede de Computadores - Presbiteriana.

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Rabiu iniciou sua carreira como professor de Língua Inglesa, ministrando aulas de multimídia em informática. Foi professor na escola de idiomas Uptime, na disciplina de Comunicação em Inglês. Há três anos estabeleceu residência fixa no Brasil. Atualmente é instrutor de inglês na Fundação Republicana Brasileira (FRB).

João Paulo Teixeira
Diretor Administrativo
Brasileiro, 33 anos
Natural do Coromandel (MG)
GERAL

João Paulo Teixeira é natural de Coromandel (MG) e nasceu no dia 4 de novembro de 1985. É graduado em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário Unieuro, de Brasília (DF). O contabilista é conhecido por sua responsabilidade e credibilidade.

FORMAÇÃO

  • Ciências Contábeis – Centro Universitário Unieuro

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

  • Assessor Parlamentar
  • Assistente Financeiro
  • Auxiliar Administrativo
  • Representante de Vendas
  • Diretor Administrativo
Renato Junqueira
Secretário Nacional do Jovens Republicanos
Brasileiro, 32 anos
Natural de Aracaju (SE)
presidencia@fundacaorepublicana.org.br
GERAL
Nascido em Aracaju (SE), no dia 26 de setembro de 1988, Renato Junqueira se envolveu, desde muito cedo, aos 15 anos de idade, com trabalhos voltados ao público jovem. Casado com Fernanda Nascimento.
É secretário nacional do Jovens Republicanos e assumiu a presidência da Fundação Republicana Brasileira no dia 2 de junho de 2017, para a conclusão do mandato que se encerrou em 25 de fevereiro de 2019, ano em que foi reeleito pelo Conselho Curador para permanecer no cargo até 25 de fevereiro de 2021.
FORMAÇÃO
  • Graduado em Gestão Pública pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB)
  • Pós-Graduado em Relações Governamentais e Gestão de Instituições Educacionais (Uninter)
Mariluce Rodrigues Siman de Oliveira
Instrutora
Paulista
Itapevi (São Paulo)
GERAL
Mariluce Rodrigues é natural da cidade de Itapevi, São Paulo (SP). Nasceu no dia 12 de maio. Graduada em Letras (Português/Inglês), com certificados avançado e de proficiência de Língua Inglesa da Universidade de Cambridge. Especialista em Tradução e Versão e em Fonética e Pronúncia Inglesa. Iniciou a carreira bilíngue como secretária de empresa multinacional. Leciona Língua Inglesa desde 1998. Com o objetivo de aprimorar o idioma morou três anos em Londres. Após concluir seus estudos viajou por diversos países da Europa e conheceu diferentes sotaques e culturas. Pós-graduanda no ensino de Inglês como segunda língua com certificado internacional.
FORMAÇÃO
  • Graduação – Em Letras (Português e Inglês) – UNIFIEO de Osasco/SP
  • Pós-Graduação – No Ensino de Inglês como Segunda Língua com certificado internacional (Bridge IDELTTM )
Especialização:
  • Especialização em Tradução e versão – PUC/SP e em Fonética e Pronúncia Inglesa – City Lit Londres
  • CAE – Certificado Avançado de Língua Inglesa da Universidade de Cambridge
  • CPE – Certificado de Proficiência de Língua Inglesa da Universidade de Cambridge

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

  • Mariluce tem ampla experiência em rotinas administrativas de empresas e escolas.
  •  

    Exerceu a função de docente em escolas públicas, privadas (SKILL, CNA, Memphis Inglês, Top Idiomas e Berlitz) e empresas. Ela também atua em Coordenação Pedagógica.

Adriana Costa Bezerra
Diretora Administrativa da Subseção de São Paulo
“Paulistana”
GERAL
Adriana Costa Bezerra é paulistana e nasceu no dia 7 de abril. Graduada em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Nove de Julho (Uninove), tem experiência também em outros setores, como administração e finanças.
FORMAÇÃO
Jornalismo – Universidade Nove de Julho
EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
  • Adriana tem ampla experiência na área administrativa e também com atendimento ao público. Já trabalhou em várias empresas nacionais;
  • Assessora Parlamentar na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro;
  • Tesoureira no Partido Republicano Brasileiro (PRB) de São Paulo;
  • Experiência em projetos sociais voltados para a juventude;
  • Coordenadora de Redação na Rede Mulher de Televisão;
  • Atualmente é Diretora Administrativa da Subseção da Fundação Republicana Brasileira (FRB) em São Paulo.

Eduardo Verrone
Coordenador

Eduardo Verrone nasceu na cidade de São Paulo, é casado há mais de 35 anos com Cristina Verrone e tem uma filha, a Jackeline.

Profissional da área de comunicação social, atuou com TV, rádio e jornal atendendo demandas de diferentes países como Brasil, Panamá, Honduras, Colômbia e Uruguai. Participou de palestras de desenvolvimento pessoal na Argentina e Estados Unidos.

Formando em Ciências Políticas pela Uninter, ingressou na política em 2016 como coordenador de mídias e assessorando a presidência estadual do Partido Republicano Brasileiro em São Paulo.

Como coordenador da subseção da FRB, posto que assumiu desde 2019, está intensificando os trabalhos e ampliando o número de realizações de cursos e palestras em todo o Estado. O objetivo é colaborar com a formação educacional de paulistas e paulistanos por meio dos conceitos da boa política, cidadania e gestão pública.

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Experiência em projetos sociais voltados para a juventude;

Coordenadora de Redação na Rede Mulher de Televisão;

Atualmente é Diretora Administrativa da Subseção da Fundação Republicana Brasileira (FRB) em São Paulo.