Educação indígena: projeto determina responsabilidade da União

Brasília (DF) – A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal aprovou, nesta quinta-feira (8), o Projeto de Lei 2603/19, de autoria do senador Mecias de Jesus (PRB-RR), que dispõe sobre a responsabilidade da União na oferta e financiamento da educação escolar indígena.

Se aprovada a proposta, a União será responsável pela organização da oferta e pela manutenção e desenvolvimento da educação escolar indígena, de caráter intercultural e bilíngue, sem prejuízo da colaboração dos sistemas de ensino dos estados e dos municípios.

Segundo Mecias de Jesus, a educação indígena passou a ser respeitada como uma modalidade específica, em que se combinam a valorização dos saberes tradicionais das comunidades indígenas, seus processos próprios de aprendizagem e suas línguas maternas com os saberes da escola.

A oferta se ampliou consideravelmente, passando de cerca de 40 mil alunos indígenas no início da década de 1990 para quase 250 mil em meados da segunda década do século XXI. “Esse crescimento, contudo, tem sido prejudicado em termos de qualidade, e até mesmo de cobertura potencial, pelas dificuldades dos sistemas de ensino estaduais, que passaram a ser responsabilizados quase que integralmente pela educação escolar indígena”, disse o republicano.

Para o senador, a União colabora muito menos do que poderia. “Pretendemos, por meio desta proposição, federalizar a oferta da educação escolar indígena, incumbindo a União não só de organizar a provisão dessa modalidade, mas também de garantir os recursos financeiros necessários para sua manutenção e desenvolvimento”, defendeu Mecias de Jesus.

A proposta segue para a Comissão de Educação, Cultura e Esporte, em caráter terminativo.

Texto: Ascom – senador Mecias de Jesus
Foto: Edilson Rodrigues