Republicanos aplacam a ditadura da tolerância

Republicanos aplacam a ditadura da tolerância

 

Ser tolerante tornou-se uma máxima dos dias atuais. Parte da sociedade incorporou um estilo de vida cada vez mais libertário e que é totalmente intolerante às tradições e a preservação dos bons costumes. Em meio esse cenário nada amistoso, poucos são os atores políticos que travam batalhas em prol da moralidade, defesa da família e do respeito à religião.

Na última terça-feira (18), a atuação da bancada do Republicanos na Câmara Legislativa do Distrito Federal foi determinante para a aprovação do projeto de lei nº 1.958/18, de autoria do deputado Rafael Prudente do MDB. A proposição proíbe manifestações artísticas e culturais com “teor pornográfico” ou vilipêndio a símbolos religiosos em espaços públicos do DF. Os deputados distritais Martins Machado e Rodrigo Delmasso, do Republicanos, votaram favoráveis ao projeto, contribuindo decisivamente para a sua aprovação, numa disputa bastante acirrada, sendo 7 votos a favor e 6 contrários.

A aprovação da matéria em primeiro turno tem incomodado a classe artística, que acusa a proposta de censurar os projetos culturais no âmbito do Distrito Federal. No entanto, se regressarmos a setembro de 2017, há exatos seis meses anteriores, na data de apresentação da proposição, é fácil recordar o quanto a exposição cultural “Queermuseu – Cartografia da Diferença na Arte Brasileira” chocou o país.

A exposição realizado no Museu Santander Cultural em Porto Alegre – RS apresentava diversas obras com apologia à zoofilia e à pedofilia. Além disso, o desrespeito aos símbolos judaico-cristãos eram gritantes. Ao final, mediante forte pressão de movimentos e das redes sociais, a amostra foi cancelada pelo banco em um mês anterior à data prevista de encerramento.

Ainda nesses mesmos mês e ano, a performance do artista Wagner Schwartz,  que interagia completamente nu com crianças no Museu de Arte Moderna – MAM de São Paulo, escandalizou ainda mais a sociedade.  Nessa ocasião, em um vídeo que viralizou nas redes sociais, é possível ver uma criança de aproximadamente quatro anos de idade tocar os pés do artista despido.

 Assim, observando acontecimentos recentes e a forma como alguns grupos decidem apresentar as suas ideias, desrespeitando os símbolos de fé e inclusive, a inocência de crianças, torna-se cada vez mais evidente a relevância da aprovação dessa matéria. Talvez, essa seja a chance de construção de um ambiente democrático e de respeito aos padrões conservadores. O incômodo trazido pelo resultado da votação, em certa medida, reflete a grande influência que tal normativa pode exercer às discussões sobre o assunto no Congresso Nacional, que está apenas 6 quilômetros da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

      Até ser transformado em lei, a medida ainda deverá percorrer um longo caminho, sendo necessário a aprovação em segundo turno na casa legislativa e ainda pode ser vetada pelo governador Ibaneis Rocha. Entretanto, não poderíamos deixar de parabenizar os nossos deputados distritais (Martins Machado e Rodrigo Delmasso) pelo empenho na apreciação da medida e pelo zelo com os valores conservadores que o partido Republicanos vem lutando há mais de quinze anos, ou seja, desde à sua organização.  

                                               Por mais tolerância e respeito aos valores conservadores!

 

Núcleo de Estudos e Pesquisas (NEP) – Fundação Republicana Brasileira

compartilhe com amigos:

Share on tumblr
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook